sintomas

 

Chikungunya

Nos últimos anos a febre da chikungunya infectou inúmeras pessoas nos continentes africanos e asiáticos, e atualmente já chega a estar presente em todos os cinco continentes. Assim como a dengue, a chikungunya é uma doença infecciosa febril. É transmitido pelo Aedes aegypti e também pelo Aedes albopictus, transmissores da dengue e da febre amarela. No Brasil, os três primeiros casos importados apareceram no ano de 2010.

Sintomas

Os sintomas e os sinais também são bem parecidos com os da dengues. São eles: febre, dores nas articulações e nos músculos, dor de cabeça, náuseas, cansaço e manchas na pele. O diferencial da dengue é a dor articular, que aparece muito forte.
O vírus chikungunya não é apresentado com altas taxas de letalidade, porém, pode causar artralgia persistente (problemas com uma ou mais articulações do corpo), ocasionando na redução de produtividade e da qualidade de vida.

Diagnóstico

O diagnóstico é feito por uma análise dos sintomas do paciente ou através de um hemograma, que medirá o número de plaquetas no sangue. Outros exames podem ser solicitados conforme a gravidade do caso.

Tratamento

Como ainda não há um tratamento antiviral específico para a doença, a terapia utilizada é a de suporte médico, hidratação (ingerir muita água diariamente) e repouso absoluto. Os remédios usados para fazer um suporte a dores de cabeça e febre são o paracetamol e dipirona.
Atenção: É recomendado não usar medicamentos a base de ácido acetil salicílico (AAS, Aspirina, Melhoral, Doril, etc.) e anti-inflamatórios que interferem na coagulação do sangue. Sempre leia a bula dos medicamentos antes de serem consumidos. Evite a automedicação.

Prevenção

A melhor prevenção é tomar os cuidados necessários para que não haja a proliferação do mosquito Aedes aegypti e do Aedes albopictus, sempre tomando cuidado com acúmulo de água parada.

  • Fique de olhos nos pneus que você armazena em casa. Deitados ou em pé ele pode acumular água na parte de dentro.
  • Durante dias, a água que você molha sua planta pode dar sinal no pratinho do vaso. Para evitar isso acúmulo de água, preencha os pratinhos com areia.
  • Procure sempre deixar garrafas vazias de cabeça para baixo, evitando que a água se acumule em seu interior.
  • Não deixar entulhos espalhados em lugares indevidos. Procure caçambas ou contrate algum serviço de transporte de lixo.
  • Fique de olho nas calhas de sua casa. A sujeira pode acumular água por dias.

 

 

Fonte: Portal Saúde

image

A Dengue

A dengue não é uma doença brasileira e não é atual. Os primeiros casos registrados são do século XVIII na ilha de Java, na Indonésia, e também na Filadélfia, nos EUA. A origem de seu nome vem do espanhol. “Dengue”, como adjetivo espanhol, significa uma pessoa física e psicologicamente instável, retratando a forma que uma pessoa infectada se encontra.

Há a teoria de que o mosquito Aedes aegypti (que transmite a doença) tenha chegado no Brasil no século XIV, vindo junto com os navios negreiros e dando abertura para suas epidemias. Em torno de 1940, o Aedes aegypti foi erradicado do país devido ao combate à febre amarela realizado pelo governo. Devido ao crescimento urbano, o mosquito retornou com força nos pneus e ferros-velhos e na década de 80, 100% das borracharias que beiravam a via Dutra continham larvas do mosquito.

A dengue tem seu aparecimento no início do século XX nas terras tropicais, e desde então as epidemias foram acontecendo em locais diferentes. Hoje o governo tem dado uma atenção especial à doença, pois o índice de morte em epidemias formaram números assustadores.

Em 2014, na cidade de Taubaté, foram registrados mais de 10.000 notificações de dengue e mais de 9.000 casos confirmados. A epidemia, que durou quase todo o ano, fez com que a prefeitura lançasse uma campanha de combate ao mosquito, que dura até hoje.

A Doença

Nem todo mosquito Aedes aegypti é contaminado com a dengue. Logo, se você for picado pelo mosquito, não é 100% certo de que você contraia a doença. A contaminação ocorre somente se o mosquito estiver infectado.
Os sintomas da doença são bem expressivos. Dentre eles estão:
• Febre alta, perto dos 40ºC
• Fraqueza e moleza do corpo
• Dor nas juntas do corpo
• Forte dor de cabeça
• Dor nos olhos

A dengue hemorrágica, que é o caso mais perigoso, provoca, além dessas já citadas, dores abdominais contínuas, queda de pressão e suor intenso.

O tratamento para a doença é básico, se baseando no uso de paracetamol ou dipirona para o controle das dores no corpo e da febre, além da recomendação de consumo excessivo de líquido e do inevitável descanso.

Se você estiver sentindo esses sintomas, procure um médico imediatamente.
A SACE possui o exame preciso para confirmação de casos da doença.

 

dengue-01

image

Novembro Azul

Em 2003, em Melbourne na Austrália, Travis Garone e Luke Slattery tomaram a iniciativa de abrir os olhos do mundo para a saúde masculina. Inspirados na mãe de um amigo que participava da campanha do Outubro Rosa, resolveram arrecadar dinheiro para instituições de tratamento de câncer de próstata. A Fundação do Câncer de Próstata de Austrália foi a primeira instituição a ser parceira da atitude dos dois. Juntaram-se com mais dois amigos, Adam Garone e Justin Coghlan, e apelidaram aquele atual novembro de Movember. O nome faz referência a moustache (bigode em inglês) e november (novembro em inglês).

Como estavam tratando de um assunto relacionado a saúde masculina, resolveram, atitude simbólica, deixar seus bigodes crescerem durante todo o mês. Essa seria a marca principal da campanha.
Passaram a chamar de Mo Bros e Mo Sister as pessoas que colaboravam com sua campanha e no segundo ano de campanha já somavam mais de 450 voluntários e mais de R$118.000,00.
Em 2006 foi realizado um estudo no país que mostrou que além do câncer de próstata, a depressão e a ansiedade também era fatos agravantes nos homens. À partir daí o mundo passou a olhar com mais cautela para a saúde masculina.
Passados os anos de Movember, a campanha já voluntariou mais de 4 milhões de pessoas e já arrecadou mais de R$1 bi, fundos distribuídos para instituições de mais de 20 países.
No Brasil a campanha teve início em 2012, por uma parceria da Sociedade Brasileira de Urologia com o Instituto Lado a Lado Pela Vida.

O que é a próstata?

A próstata é uma glândula masculina que é responsável pela produção e armazenamento do líquido espermático, isto é, é a glândula responsável pela reprodução do homem.

Câncer de Próstata

Esse tipo de câncer é mais comum do que se parece. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer, é a segunda doença mais comum nos homens, perdendo apenas para o câncer de pele não-melanoma. Em uma projeção feita pelo Instituto, no ano de 2014, 12 mil homens descobrirão o câncer em estágio avançado, complicando o tratamento e correndo risco de morte.

Sintomas

Na maioria dos casos, não existem sintomas na fase inicial da doença. Por isso a atenção deve ser redobrada à partir dos 40 anos do homem. Em alguns casos ocorrem diferentes sintomas:

  • Jato de urina reduzido ou muito fraco;
  • Sensação de bexiga cheia, mesmo acabando de urinar;
  • Sangue na urina ou no esperma;
  • Problemas para conseguir manter uma ereção;
  • Sensação de dor na parte baixa das costas ou na pélvis (abaixo do testículos);

Tratamento

Existem vários tratamentos para o câncer, e todos eles vão depender de qual estágio se encontra o mesmo. Caso o câncer afete somente a próstata, que é o caso mais comum, podem ser feitos diferentes tratamentos, sendo eles:

  • Vigilância ativa – consiste em acompanhar de perto a próstata, sempre fazendo check-up e isso ajuda também a evitar o tratamento desnecessário em homens com baixo risco de câncer;
  • Cirurgia – a próstata é retirada por completa;
  • Braquiterapia – implementação de sementes radioativas na próstata;
image

Diabetes, uma doença silenciosa

É relacionado ao envelhecimento da população e dietas poucos saudáveis, aumento da obesidade e o sedentarismo. O diabetes é considerado uma epidemia mundial. Ele surge de forma silenciosa, e só apresenta algum sintoma quando a taxa de glicemia está muito elevada.

A Federação Internacional de Diabetes (IDF), estima que até 2035, o número de portadores de diabetes deverá chegar a 592 milhões. Segundo o Ministério da Saúde, no Brasil, estima-se que existam aproximadamente 11 milhões de pessoas portadoras de diabetes, sendo que 3,5 milhões ainda não sabem que possuem a doença.

Sintomas

Ao sentir muita sede, ter vontade de urinar com mais frequência, emagrecer sem motivo aparente, sentir cansaço, dores nas pernas, câimbras, e infecções genitais, fique atento! Pois esses são alguns sintomas de diabetes, que são apresentados quando a glicemia está muito elevada.
Se esses sintomas não forem tratados, poderá evoluir para quadros graves de desorientação, sonolência e até coma, diz a Dra. Resane Kupfer, vice-presidente do Departamento de Diabetes da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM).

Antes que apareça algum sintoma, é recomendável que pessoas com mais de 40 anos, que tenham fatores de risco como histórico da doença na família, excesso de peso, hipertensão, sedentarismo, hábitos alimentares não saudáveis, alterações em lipídios ou se já tiveram diabetes gestacional, façam exames de sangue periodicamente para controlar a glicemia, diz a médica.

Isso também serve para as crianças, principalmente de 10 a 14 anos, pois são mais suscetíveis á doença. Já o diabetes tipo 2 tem uma incidência maior em pessoas com mais de 50 anos. Porém, com o aumento da obesidade em jovens, essa faixa etária tende a cair, afirma a Dra. Rosane.

Visite regularmente seu médico e conte com o Laboratório SACE para a realização dos seus exames.