sace

 
image

Taubaté: casos de HIV aumentam 61%

A cidade de Taubaté sofreu em um ano o aumento de 61% de casos de confirmados de contração do HIV, o responsável pela AIDS. Atingindo em sua maioria jovens adultos, pessoas com idades entre 20 e 34 anos.

Com os avanços no desenvolvimento de novos medicamentos dos últimos vinte anos os pacientes que sofrem com a AIDS podem agora sustentar uma vida relativamente normal. Quase não se associa mais a imagem dos pacientes que contraiam múltiplas infecções oportunistas, aquelas que acometem o sistema imunológico enfraquecido, magros e incapacitados ao portador do HIV. Os coquetéis de remédios distribuídos pelo governo desde os anos 90 vem transformando isso em uma realidade, apesar de haverem aqueles que não respondem tão bem as medicações, seja por ineficiência ou reações adversas.

A AIDS é hoje controlável, mas ainda assim, incurável. Mesmo com as mais recentes pesquisas sobre uma possível vacina para a AIDS, permanece claro que a prevenção é a mais eficiente medida contra a proliferação do vírus. Para se melhor proteger contra o vírus, a informação é indispensável.

Isso inclui o sexo sem o uso de preservativos com pessoas infectadas, este sendo homo ou heterossexual e a partilha de agulhas ou objetos cortantes que contenham fluidos corpóreos contaminados com HIV.

Saiba mais sobre os métodos de prevenção no link: http://www.aids.gov.br/pagina/duvidas-frequentes#prevencao

E confira também a matéria original com as informações sobre Taubaté: http://g1.globo.com/sp/vale-do-paraiba-regiao/noticia/2015/02/casos-de-hiv-crescem-61-e-maioria-dos-infectados-e-jovem-em-taubate.html

Carnaval e as DSTs

Na época do Carnaval os cuidados com sua saúde e higiene devem ser redobrados. No meio dos aglomerados carnavalescos existe um perigo real muito grande, mas que ainda é tratado com banalidade por muitos: as Doenças Sexualmente Transmissíveis.

As DSTs não são exclusividades desta época festiva, mas as viagens, o compartilhamento de objetos pessoais e o uso de banheiros públicos, são atos muito propícios para a transmissão. Porém, a maior probabilidade de transmissão ainda é a relação sexual sem uso do preservativo.

A doença mais popular desse grupo é o vírus causador da AIDS, o HIV. A doença não tem cura e não é simples como muitos imaginam. Após contrair o vírus, há uma dramática mudança de hábitos para se adequar à rotina de remédios contínuos e ao tratamento adequado.
Além do vírus do HIV, existem outras doenças sexualmente transmissíveis que também não tem cura, e ainda assim são vistos como simples infecções.

Para evitar qualquer dessas doenças há alguns cuidados que devem ser tomados, como não dividir toalhas, lençóis ou roupas íntimas com outras pessoas, não compartilhar escovas de dente, lâminas de barbear ou depilar e ao usar um banheiro público certifique-se que o local esteja limpo antes de usar

Conheça algumas das DSTs mais populares:

Clamídia e Gonorréia
São infecções causadas por bactérias que podem atingir os órgãos genitais masculinos e femininos. Quando não tratadas, essas doenças podem causar infertilidade, dor durante as relações sexuais, gravidez nas trompas, entre outros danos à saúde.

Sífilis
Doença infecciosa que pode se manifestas em três estágios. Os dois primeiros são doloridos e mais propícios às transmissões. O terceiro estágio é assintomático, causando a impressão de cura da doença. Os sintomas são pequenos ferimentos no órgão sexual e caroços na virilha.

Sífilis Congênita
É a transmissão da sífilis de mãe para filho pela gestação. A infecção é grave e pode causar má-formação do feto, aborto ou a morte do bebê, quando se nasce gravemente doente. Por isso, é importante fazer o teste para detectar a sífilis durante o pré-natal.

HPV
O condiloma acuminado, conhecido também como verruga genital, crista de galo, figueira ou cavalo de crista, é uma DST que tem mais de 100 variações – algumas delas podendo causar câncer, principalmente no colo do útero e no ânus. O surgimento de verrugas de tamanhos variáveis no órgão genital é comum, em homens e mulheres, e ambos podem estar infectados sem apresentar sintomas em alguns casos.

Herpes Genital
Doença viral que não apresenta cura, mas sim o tratamento. Seus sintomas são geralmente pequenas bolhas agrupadas que se rompem e se transformam em feridas. Antes do surgimentos das bolhas pode haver sintomas como formigamento, ardor e coceira no local, além de febre e mal-estar.

HIV/AIDS
O HIV é a pior doença viral do grupo das sexualmente transmissíveis. Se não tratado de acordo com sua contagem de células atacadas e sistema imunológico, pode ocorrer a AIDS (síndrome da imuno deficiência adquirida, em português), que vai atacando os órgãos mais frágeis do seu corpo e diminuindo cada vez mais sua imunidade. Seu tratamento é contínuo e vai variar de acordo com a quantidade de células atacadas pelo HIV.

 

Para evitar qualquer doença sexualmente transmissível é necessário o uso de preservativo em todo tipo de relação sexual (vaginal, anal, ou oral) e para que haja um diagnóstico correto, entre em contato com seu médico e peça um check-up geral de sua saúde.

image

A Dengue

A dengue não é uma doença brasileira e não é atual. Os primeiros casos registrados são do século XVIII na ilha de Java, na Indonésia, e também na Filadélfia, nos EUA. A origem de seu nome vem do espanhol. “Dengue”, como adjetivo espanhol, significa uma pessoa física e psicologicamente instável, retratando a forma que uma pessoa infectada se encontra.

Há a teoria de que o mosquito Aedes aegypti (que transmite a doença) tenha chegado no Brasil no século XIV, vindo junto com os navios negreiros e dando abertura para suas epidemias. Em torno de 1940, o Aedes aegypti foi erradicado do país devido ao combate à febre amarela realizado pelo governo. Devido ao crescimento urbano, o mosquito retornou com força nos pneus e ferros-velhos e na década de 80, 100% das borracharias que beiravam a via Dutra continham larvas do mosquito.

A dengue tem seu aparecimento no início do século XX nas terras tropicais, e desde então as epidemias foram acontecendo em locais diferentes. Hoje o governo tem dado uma atenção especial à doença, pois o índice de morte em epidemias formaram números assustadores.

Em 2014, na cidade de Taubaté, foram registrados mais de 10.000 notificações de dengue e mais de 9.000 casos confirmados. A epidemia, que durou quase todo o ano, fez com que a prefeitura lançasse uma campanha de combate ao mosquito, que dura até hoje.

A Doença

Nem todo mosquito Aedes aegypti é contaminado com a dengue. Logo, se você for picado pelo mosquito, não é 100% certo de que você contraia a doença. A contaminação ocorre somente se o mosquito estiver infectado.
Os sintomas da doença são bem expressivos. Dentre eles estão:
• Febre alta, perto dos 40ºC
• Fraqueza e moleza do corpo
• Dor nas juntas do corpo
• Forte dor de cabeça
• Dor nos olhos

A dengue hemorrágica, que é o caso mais perigoso, provoca, além dessas já citadas, dores abdominais contínuas, queda de pressão e suor intenso.

O tratamento para a doença é básico, se baseando no uso de paracetamol ou dipirona para o controle das dores no corpo e da febre, além da recomendação de consumo excessivo de líquido e do inevitável descanso.

Se você estiver sentindo esses sintomas, procure um médico imediatamente.
A SACE possui o exame preciso para confirmação de casos da doença.

 

dengue-01

image

Outubro Rosa

Em 2002 o Brasil ficou mais cor de rosa. Mais precisamente no dia 2 de outubro com o Obelisco do Ibirapuera em rosa. Em pleno aniversário do Encerramento da Revolução. Atitude tomada por um grupo de mulheres ativistas da luta à favor da conscientização do câncer de mama, foi a primeira ação relacionada ao Outubro Rosa.

O país acabara de entrar no role mundial de prevenção do câncer de mama e não parou mais. Em 2008, em comemoração ao Dia das Mães, ao Dia Estadual de Prevenção ao Câncer de Mama – comemorado todo terceiro domingo do mês de maio – e em preparação ao Outubro Rosa, o Instituto Neo Mama de Prevenção e Combate ao Câncer de Mama iluminou de rosa a Fortaleza da Barra, em Santos.

No mês de outubro do mesmo ano várias entidades relacionadas ao combate ao câncer de mama iluminaram monumentos e prédios de luzes rosas. As principais cidades do país aderiram à causa e até hoje fazem parte desta campanha. O monumento mais importante do país também ficou rosa no ano de 2008. A iluminação rosa do Cristo Redentor (RJ) foi um marco que deu destaque ao país pelo mundo inteiro, por ser uma das sete maravilhas do mundo.

Com o passar dos anos a campanha no Brasil foi se expandindo a cada dia mais, alertando a sua população sobre os riscos e causas do câncer de mama. E você, o que sabe sobre a doença? Separamos algumas informações para você.

  • Não existem causas específicas para o desenvolvimento do câncer, há alguns fatores que podem contribuir. A idade por exemplo é um dos fatores, pois quanto maior avançada for, maior o risco, naturalmente. Consumo excessivo de álcool, menarca precoce, o fato de não ter filhos, menopausa tardia, também são alguns dos fatores que contribuem com o desenvolvimento da doença;
  • A doença em homens é bem rara. Estima-se que menos de 1% dos casos de câncer de mama seja em indivíduos do sexo masculino;
  • A doença também pode ser detectada pelo toque nos seios, porém, não é a única forma. Esteja com seus exames em dia para que não haja surpresas futuras. Lembrando que o nódulo, quando existente, é indolor no início, então não espere sentir dor para fazer os exames necessários;
  • As chances de cura são de 95% caso o câncer seja detectado no início de seu desenvolvimento;

Nunca confie apenas no autoexame. Consulte seu médico e se proteja dos riscos.