cuidados

 

Carnaval e as DSTs

Na época do Carnaval os cuidados com sua saúde e higiene devem ser redobrados. No meio dos aglomerados carnavalescos existe um perigo real muito grande, mas que ainda é tratado com banalidade por muitos: as Doenças Sexualmente Transmissíveis.

As DSTs não são exclusividades desta época festiva, mas as viagens, o compartilhamento de objetos pessoais e o uso de banheiros públicos, são atos muito propícios para a transmissão. Porém, a maior probabilidade de transmissão ainda é a relação sexual sem uso do preservativo.

A doença mais popular desse grupo é o vírus causador da AIDS, o HIV. A doença não tem cura e não é simples como muitos imaginam. Após contrair o vírus, há uma dramática mudança de hábitos para se adequar à rotina de remédios contínuos e ao tratamento adequado.
Além do vírus do HIV, existem outras doenças sexualmente transmissíveis que também não tem cura, e ainda assim são vistos como simples infecções.

Para evitar qualquer dessas doenças há alguns cuidados que devem ser tomados, como não dividir toalhas, lençóis ou roupas íntimas com outras pessoas, não compartilhar escovas de dente, lâminas de barbear ou depilar e ao usar um banheiro público certifique-se que o local esteja limpo antes de usar

Conheça algumas das DSTs mais populares:

Clamídia e Gonorréia
São infecções causadas por bactérias que podem atingir os órgãos genitais masculinos e femininos. Quando não tratadas, essas doenças podem causar infertilidade, dor durante as relações sexuais, gravidez nas trompas, entre outros danos à saúde.

Sífilis
Doença infecciosa que pode se manifestas em três estágios. Os dois primeiros são doloridos e mais propícios às transmissões. O terceiro estágio é assintomático, causando a impressão de cura da doença. Os sintomas são pequenos ferimentos no órgão sexual e caroços na virilha.

Sífilis Congênita
É a transmissão da sífilis de mãe para filho pela gestação. A infecção é grave e pode causar má-formação do feto, aborto ou a morte do bebê, quando se nasce gravemente doente. Por isso, é importante fazer o teste para detectar a sífilis durante o pré-natal.

HPV
O condiloma acuminado, conhecido também como verruga genital, crista de galo, figueira ou cavalo de crista, é uma DST que tem mais de 100 variações – algumas delas podendo causar câncer, principalmente no colo do útero e no ânus. O surgimento de verrugas de tamanhos variáveis no órgão genital é comum, em homens e mulheres, e ambos podem estar infectados sem apresentar sintomas em alguns casos.

Herpes Genital
Doença viral que não apresenta cura, mas sim o tratamento. Seus sintomas são geralmente pequenas bolhas agrupadas que se rompem e se transformam em feridas. Antes do surgimentos das bolhas pode haver sintomas como formigamento, ardor e coceira no local, além de febre e mal-estar.

HIV/AIDS
O HIV é a pior doença viral do grupo das sexualmente transmissíveis. Se não tratado de acordo com sua contagem de células atacadas e sistema imunológico, pode ocorrer a AIDS (síndrome da imuno deficiência adquirida, em português), que vai atacando os órgãos mais frágeis do seu corpo e diminuindo cada vez mais sua imunidade. Seu tratamento é contínuo e vai variar de acordo com a quantidade de células atacadas pelo HIV.

 

Para evitar qualquer doença sexualmente transmissível é necessário o uso de preservativo em todo tipo de relação sexual (vaginal, anal, ou oral) e para que haja um diagnóstico correto, entre em contato com seu médico e peça um check-up geral de sua saúde.

image

Cuidados contra a Dengue

A Dengue é uma doença muito séria transmitida pela picada do Mosquito Aedes Aegipty. A melhor maneira de se proteger desse perigo é dificultar a proliferação do mosquito, que encontra neste período de calor e chuvas o seu melhor meio para se desenvolver e reproduzir.

Todos os anos as autoridades de saúde apresentam campanhas de conscientização para a população, com os cuidados que devem ser tomados para evitar uma epidemia. Mas nem sempre a população leva tais cuidados a sério, permitindo que o mosquito se reproduza e transmita a doença.

Como evitar

É sempre bom lembrar dos cuidados que devem ser tomados para dificultar o aumento na quantidade de mosquitos transmissores da Dengue. O principal cuidado consiste em evitar acumulo de água limpa parada como em vasos, caixas d’água e outros recipientes capazes de reter água é a mais eficaz forma de evitar uma epidemia. Depois de adultos, os mosquitos podem ser evitados com repelentes baseado em DEET (N,N-dietilmetatoluamida). Telas nas portas e janelas podem ser eficazes para manter os mosquitos longe da sua casa e da sua família, principalmente nos bairros com mais casos confirmados. Em Taubaté os bairros com mais casos em 2014 foram: Village Taubaté, Vila Costa, Parque Aeroporto, Estiva, Vila Albina e Mourisco. Os bairros próximos devem ter cuidado redobrado com o Aedes Aegipty.

Como tratar

Mas também não menos importante é a descoberta precoce e o rápido tratamento da doença, através do diagnóstico dos sintomas por um médico e depois com a confirmação através de exames de sangue.

Os sintomas da Dengue são:

  • Febre;
  • Dor muscular;
  • Dor de cabeça;
  • Dor nas articulações;
  • Dor atrás dos olhos;
  • Manchas vermelhas na pele;

Se você tiver algum desses sintomas procure um médico, que vai lhe indicar os exames que devem ser feitos para confirmar a doença, através de um hemograma e testes sorológicos.

O Hemograma completo é utilizado para contagem de plaquetas e os testes sorológicos detectam a presença de anticorpos contra o vírus da Dengue. O resultado dos exames são importantes para se confirmar a presença da doença ou não, para continuar com o tratamento correto e tirar quaisquer dúvidas que o exame clínico pode deixar.

E além disso o Laboratório SACE trouxe um teste rápido que confirma em 2 horas se os pacientes que apresentam sintomas por mais de 6 dias estão ou não contaminados com a Dengue. Informe-se nas nossas unidades de Taubaté e Tremembé.

Conheça todos os exames que o Laboratório SACE oferece para você. Nossa tradição é oferecer o melhor.

image

Saiba tudo sobre ácido úrico

Você sabia que o ácido úrico está entre as substâncias naturalmente produzidas pelo organismo? É, ele surge como produto final do metabolismo das purinas, elas são o resultado da quebra de aminoácidos presentes nas proteínas do organismo e nos alimentos. O ácido úrico circula no sangue e está presente nas articulações e é eliminado predominantemente pelos rins.

Quando há um aumento na ingestão, na produção ou na diminuição da excreção do ácido úrico que circula no sangue, ocorre a hiperuricemia. Formam-se pequenos cristais de urato de sódio semelhantes a agulhinhas, que se depositam em vários locais do corpo, de preferência nas articulações, mas também nos rins, sob a pele ou em qualquer outra região do corpo.

O depósito dos cristais de urato nas articulações, em geral, provoca surtos dolorosos de artrite aguda secundária, a gota, especialmente nos membros inferiors, como joelhos, tornozelos, calcanhares, dedos do pé, mas pode comprometer qualquer articulação. Nos rins, a hiperuricemia é responsável pela formação de cálculos renais e insuficiência renal aguda ou crônica.

Algumas das causas mais comuns que explicam o ácido úrico elevado são: a obesidade, a diabetes, a hipertensão e uma dieta alimentar desregrada com ingestão de alimentos ricos em purina.

Como forma de prevenção e também de diminuição no nível de ácido úrico recomenda-se uma alimentação equilibrada, com restrição a bebidas alcoólicas e sem proteínas em excesso.

Veja uma pequena lista de alimentos que proibidos de serem consumidos em excesso, alguns que devem ter consumo moderado e outros que estão liberados para o consumo.

Alimentos proibidos

  • Miúdos (coração, rins e fígado)
  • Vitela, bacon e embutidos
  • Frutos do mar em geral
  • Sardinha, arenque, anchovas, bacalhau, camarão, ovas de peixe
  • Caldo de carne em tabletes
  • Peru
  • Aspargos, COGUMELOS, ervilhas, couve-flor e espinafre
  • Bebidas alcoólicas, principalmente cerveja
  • Tomate e molho de tomate

Alimentos de consumo moderado:

  • Ovos (máximo de 3 unidades por semana)
  • Aves (1 filé por dia)
  • Carne de vaca (1 fatia por dia)
  • Peixes maiores (1 porção por semana – posta grande)
  • Leguminosas (feijão, lentilha – máximo ½ xícara por dia)
  • Grãos e sementes (máximo ½ xícara por dia)

Alimentos permitidos

  • Cereais e derivados
  • Leite e derivados
  • Chás e café
  • Vegetais
  • Frutas
  • Pão branco/biscoitos de água e sal/bolos secos
  • Arroz, batata e macarrão
  • Manteiga ou margarina
  • Sorvete

Outra dica é beber bastante água para ajudar o organismo a eliminar o ácido úrico e não se automedique. Consulte um médico para orientar o tratamento e peça ajuda ao nutricionista para eleger uma dieta que ajude a controlar a taxa de ácido úrico e a manter o peso em níveis adequados.