chikungunya

 
image

Aedes Aegypti

AEDES AEGYPTI – Conheça o mosquito transmissor da dengue, zica e chikungunya e saiba como combate-lo
O Aedes Aegypti, popularmente conhecido como “mosquito da dengue” surgiu no Egito, se espalhou para a África e depois para as Américas e Ásia.

O mosquito mede menos de 1cm e pode ser identificado pelas suas listras brancas no corpo e pernas e pelos seus hábitos característicos:
– Costuma picar de dia: Nas primeiras horas da manhã e no final da tarde;
– Pica principalmente pernas, tornozelos e pés, e sua picada não dói e nem coça;
– Voa baixinho, no máximo a 1 metro de altura do solo;
– É silencioso.
O Aedes Aegypti é transmissor de diversas doenças, entre elas, as mais graves são a dengue, zika vírus e chikungunya.
Sintomas

A fêmea do Aedes Aegypti precisa sugar sangue para produzir os ovos, e estando infectada, a transmissão do vírus acontece. Os outros mosquitos costumam picar apenas uma pessoa por lote de ovos que produzem, já o Aedes Aegypti tem uma peculiaridade chamada de “Discortancia Gonotrófica”, que significa que ele pode picar mais de uma pessoa por lote de ovos que produz.
Risco para grávidas
O Aedes Aegypti não se alimenta do sangue, ele se alimenta de substancias que contém açúcar, como néctar e seiva, logo o sangue é apenas para a produção de ovos. Como o macho não produz ovos, não precisa picar.

Após a fecundação, as fêmeas intensificam a voracidade pela hematofagia, para realizar o desenvolvimento completo dos ovos. Três dias após a ingestão de sangue, já está pronta para desovar, então começa a buscar o local apropriado para isso. Durante sua vida, uma única fêmea pode dar origem a até 1.200 ovos, que são distribuídos por diversos criadouros.

Os ovos adquirem uma resistência muito grande após as primeiras 15 horas, podendo aguentar até 450 dias em condições desfavoráveis para a eclosão. Em condições favoráveis de umidade e temperatura, os embriões ficam prontos e desenvolvidos em apenas 48 horas.
O Aedes Aegypti
 
A melhor forma de combater o Aedes Aegypti é impedindo que se reproduzam, ou seja, exterminando os focos de acúmulo de água, locais propícios para a reprodução.
Combatendo o mosquito
Não deixe de fazer sua parte. Essa é uma batalha de todos nós. Caso apresente os sintomas de alguma das doenças transmitidas pelo Aedes Aegypti, procure imediatamente seu médico, e lembre-se que com o Laboratório SACE você sempre pode contar!

VEJA TAMBÉM:

Chikungunya

Nos últimos anos a febre da chikungunya infectou inúmeras pessoas nos continentes africanos e asiáticos, e atualmente já chega a estar presente em todos os cinco continentes. Assim como a dengue, a chikungunya é uma doença infecciosa febril. É transmitido pelo Aedes aegypti e também pelo Aedes albopictus, transmissores da dengue e da febre amarela. No Brasil, os três primeiros casos importados apareceram no ano de 2010.

Sintomas

Os sintomas e os sinais também são bem parecidos com os da dengues. São eles: febre, dores nas articulações e nos músculos, dor de cabeça, náuseas, cansaço e manchas na pele. O diferencial da dengue é a dor articular, que aparece muito forte.
O vírus chikungunya não é apresentado com altas taxas de letalidade, porém, pode causar artralgia persistente (problemas com uma ou mais articulações do corpo), ocasionando na redução de produtividade e da qualidade de vida.

Diagnóstico

O diagnóstico é feito por uma análise dos sintomas do paciente ou através de um hemograma, que medirá o número de plaquetas no sangue. Outros exames podem ser solicitados conforme a gravidade do caso.

Tratamento

Como ainda não há um tratamento antiviral específico para a doença, a terapia utilizada é a de suporte médico, hidratação (ingerir muita água diariamente) e repouso absoluto. Os remédios usados para fazer um suporte a dores de cabeça e febre são o paracetamol e dipirona.
Atenção: É recomendado não usar medicamentos a base de ácido acetil salicílico (AAS, Aspirina, Melhoral, Doril, etc.) e anti-inflamatórios que interferem na coagulação do sangue. Sempre leia a bula dos medicamentos antes de serem consumidos. Evite a automedicação.

Prevenção

A melhor prevenção é tomar os cuidados necessários para que não haja a proliferação do mosquito Aedes aegypti e do Aedes albopictus, sempre tomando cuidado com acúmulo de água parada.

  • Fique de olhos nos pneus que você armazena em casa. Deitados ou em pé ele pode acumular água na parte de dentro.
  • Durante dias, a água que você molha sua planta pode dar sinal no pratinho do vaso. Para evitar isso acúmulo de água, preencha os pratinhos com areia.
  • Procure sempre deixar garrafas vazias de cabeça para baixo, evitando que a água se acumule em seu interior.
  • Não deixar entulhos espalhados em lugares indevidos. Procure caçambas ou contrate algum serviço de transporte de lixo.
  • Fique de olho nas calhas de sua casa. A sujeira pode acumular água por dias.

 

 

Fonte: Portal Saúde