Como escolher o brinquedo ideal?

 

 

Como escolher o brinquedo ideal?

Escolher um brinquedo pode ser uma atividade comum, ir até a loja de brinquedo e pegar o primeiro brinquedo disponível para a faixa etária da criança. Esse brinquedo, escolhido dessa forma, pode não despertar o interesse, pode não ser desafiador suficiente, pode não ser um estímulo para o aprendizado de algo novo, enfim, pode ser um simples brinquedo que é bonito e não ativa nenhum outro recurso a não ser o visual.

Vamos voltar um pouco nas informações e deixar claro a importância da brincadeira, e do brincar, assim fica mais fácil entender a razão e forma de escolher os brinquedos.

Nos bebês as brincadeiras começam espontaneamente e vão se desenvolvendo a medida que aprendem a usar seu equipamento sensorial e motor (seu corpo), e com o passar do tempo acrescentamos a esse equipamento a possibilidade de se comunicar e a criatividade. Isto quer dizer que o primeiro brinquedo da criança é o seu próprio corpo.

A exploração do próprio corpo tem vários benefícios, tais como:

  • Proporcionar o conhecimento e o desenvolvimento corporal da criança;

  • Proporcionar o aprender, por meio da experiência, portanto, fazendo;

  • Permitir que a criança realize um jogo imaginário, onde ela pode demonstrar o que sente;

A cada novo desafio, a curiosidade da criança é ativada e por meio da exploração ela colhe os resultados e os organiza para construir uma Crianças Brincandobase de conhecimento que auxiliará na resolução e interação dela com todo o meio em que vive. Portanto, o ponto de partida em todo o processo educativo da criança é a noção e experimentação do próprio corpo e do meio em que ela vive. É brincando que a criança ganha a consciência do corpo e das potencialidades que ele tem; “O homem é o seu corpo e Não – o homem e seu corpo”. (Jean-Claude Coste, 1981)

A relação do adulto e da criança com o brinquedo é diferente. O adulto brinca, se distancia do real, alivia as tensões do dia e mantem uma certa atitude de passividade. Enquanto que a criança brincando constrói dentro dela parâmetros, constrói uma base sólida, com recursos e estratégias para enfrentar o mundo real. Por isso o brincar é tão importante para a criança, ele ajuda na formação daquele ser, dos recursos
que a criança vai dispor diante das necessidades do dia a dia.

A escolha do brinquedo

A escolha do brinquedo deve ser cuidadosa, pois agora já sabemos que o brincar é muito importante para criança. Diante disso, deve-se ter alguns cuidados:

  • Se possível, conhecer um pouco a criança, saber de alguns gostos ou preferências;

  • A faixa etária é um fator significativo, pois demonstra algumas características importantes sobre aquela criança, como fases do desenvolvimento e quais itens podem ser estimulados; (Sobre esse assunto, de fases do desenvolvimento e itens a ser estimulados, falaremos em outros artigos);

  • Normalmente as embalagens dos brinquedos detalham o uso recomendado para aquele objeto, estipulando quais áreas serão estimuladas, como coordenação motora, motricidade fina entre outros;

  • O uso recomendado daquele brinquedo não necessariamente tem que ser seguido.Por exemplo: podemos pegar um jogo da memória e adaptar um pouco as regras para que seja jogado com as cartas viradas para cima, encontrando somente os pares iguais para facilitar a criança que ainda não se adéqua as regras; ou então pegar um simples jogo de pescaria, e elaborar cartões coloridos com os peixes para associarmos o aprendizado de cores a brincadeira. Deixe a sua imaginação e criatividade voar.

O fato de um brinquedo ter um visual colorido, tocar uma música Como escolher o brinquedo ideale requisitar da criança algum tipo de coordenação, aparentemente pode ser simples, mas estamos estimulando e requisitando várias áreas do corpo dessa criança. Por exemplo, nesse caso: o sistema visual, sistema auditivo, coordenação motora e planejamento motor. Muitos elementos podem ser aprendidos brincando.

Você conhece o seu filho, sobrinho, afilhado ou neto, muito bem, certo? Ao escolher um brinquedo para ele, pense na faixa etária, pense em quais recursos ele vai precisar dispender para brincar (5 sentidos, coordenação, equilíbrio, criatividade, associação de ideias – relacionar cores, animais com a sua comida preferida ou onde vivem, meios de transporte). Quanto mais idade, maior o número de recursos que podem ser associados em um só brinquedo ou brincadeira. E quanto mais recursos ele precisa utilizar, mais complexa e desafiadora é a brincadeira e maior o aprendizado ela pode proporcionar.

Exemplo:
0 até 1 ano: Precisamos estimular que ela conheça as potencialidades do próprio corpo: móbiles, chocalhos, bolas coloridas que piscam ou com texturas diferentes (ou as duas características juntas), um tapete musical, e rolo de espuma para que possa colocá-la em diferentes posturas; são itens importantes nessa fase.

Somente um lembrete, por mais que seja tentador, nem sempre o melhor é fazer tudo por ela, devemos deixar que a criança explore o ambiente e por si só tente de forma independente pegar um brinquedo, ou algo do seu gosto. Sempre com o máximo de segurança para evitar possíveis acidentes.

Essa reflexão e informação é para que os adultos tentem ao máximo fazer parte da brincadeira, os benefícios são mútuos. Pense com atenção desde a escolha do brinquedo e brincadeira para que seja divertido, atrativo e promova ensinamentos para a criança. E é claro, partilhe do máximo de momentos juntos, pois o tempo passa e elas crescem…


Patrícia Reigota Fisioterapeuta

Saiba mais sobre o trabalho da Patrícia no site da clínica One By One.